Consulta por Assunto
   
 
José governador do Egito
Livro:  Gênesis
Capítulo de 37:1 até 50:26
 
Respondeu ele: Estou procurando meus irmãos; dize-me, peço-te, onde apascentam eles o rebanho.
Disse o homem: Foram-se daqui; pois ouvi-lhes dizer: Vamos a Dotã. José, pois, seguiu seus irmãos, e os achou em Dotã.
Eles o viram de longe e, antes que chegasse aonde estavam, conspiraram contra ele, para o matarem,
dizendo uns aos outros: Eis que lá vem o sonhador!
Vinde pois agora, matemo-lo e lancemo-lo numa das covas; e diremos: uma besta-fera o devorou. Veremos, então, o que será dos seus sonhos.
Mas Rúben, ouvindo isso, livrou-o das mãos deles, dizendo: Não lhe tiremos a vida.
Também lhes disse Rúben: Não derrameis sangue; lançai-o nesta cova, que está no deserto, e não lanceis mão nele. Disse isto para livrá-lo das mãos deles, a fim de restituí-lo a seu pai.
Logo que José chegou a seus irmãos, estes o despiram da sua túnica, a túnica de várias cores, que ele trazia;
e tomando-o, lançaram-no na cova; mas a cova estava vazia, não havia água nela.
Depois sentaram-se para comer; e, levantando os olhos, viram uma caravana de ismaelitas que vinha de Gileade; nos seus camelos traziam tragacanto, bálsamo e mirra, que iam levar ao Egito.
Disse Judá a seus irmãos: De que nos aproveita matar nosso irmão e encobrir o seu sangue?
Vinde, vendamo-lo a esses ismaelitas, e não seja nossa mão sobre ele; porque é nosso irmão, nossa carne. E escutaram-no seus irmãos.
Ao passarem os negociantes midianitas, tiraram José, alçando-o da cova, e venderam-no por vinte siclos de prata aos ismaelitas, os quais o levaram para o Egito.
Ora, Rúben voltou à cova, e eis que José não estava na cova; pelo que rasgou as suas vestes
e, tornando a seus irmãos, disse: O menino não aparece; e eu, aonde irei?
Página 2 de 30
<< ...[2][3][4][5][6][7][8]... >>